UN-broken

UN-broken


As formas geométricas partidas ou alteradas e a imperfeição nos acabamentos enfatizam o espírito desta colecção UN-broken, que procura celebrar a mudança - e por vezes a ruptura - como um processo necessário.

 

O gesto acontece, quase se ouve o quebrar da matéria. Negando a previsibilidade da reparação, o corte assume-se como mote para uma transformação necessária – é a urgência da mudança que leva à evolução.

Quebrar, rodar, unir. Celebrar a ruptura, quebrando a rotina da forma geométrica. Um perturbador movimento de separação introduz outra dimensão - espacial e temporal. Ficar parado não é uma opção e movimento significa futuro.

A re-união é apenas ilusória e contradiz a ordem natural da geometria. A nova forma é uma versão conscientemente melhorada da original ou uma casual e assumida desobediência à regra?

Somos seres em constante mudança, apenas aparentemente no controlo. A importância do processo sobrepõe-se ao sucesso do resultado – ou ao seu fracasso.